Bom Brasileiro estreia no JF Sabor com três troféus

19 Out 22
O casal Cíntia Vidal e Héli Zechini com a pequena Olívia, Giuliana Raimundo e Cibelle Neves comemorando as premiações nas categorias quitandas, sobremesa/confeitaria e vegano.

Uma das inovações do JF Sabor 2022 foi a presença das padarias da região. Participando pela primeira vez do JF Sabor, a padaria artesanal Bom Brasileiro soube aproveitar a oportunidade e se tornou um dos grandes campeões, conquistando três troféus. Além do ouro na categoria Quitandas com o Cascudinho de Minas,  conquistou a segunda colocação na categoria sobremesas com a Carolina de Minas, e uma menção honrosa para a  Baguete do Cerrado, na categoria Veganos/Vegetarianos.  E o empresário Hélio Zechini garante que as três receitas continuarão a fazer parte do cardápio. 

Com oito anos de mercado, a Bom Brasileiro é a primeira padaria artesanal da cidade e há muito defende a ideia de uma alimentação saudável e resgate de antigas técnicas, receitas naturais e sem adição de conservantes. "Começamos fazendo pão em casa e tudo o que a gente conquistou foi na raça mesmo. Produzimos a maior parte de nossos insumos e colocamos a mão na massa para produzir de ponta a ponta. A minha família veio do campo e eu estou no sítio toda semana. Se tem um cara que gosta do natural e do saudável, sou eu", ressalta o empresário.  Por esta razão, ele considera a menção honrosa que recebeu pela receita vegana tão importante quanto os outros troféus que conquistou. "Na Baguete do Cerrado trabalhamos com o pequi, um ingrediente muito nobre, mas também muito difícil de acertar o ponto. Em relação ao prêmio, eu achei de um tato por parte da organização maravilhoso. Fiquei muito enaltecido", comemora Zechini.

Ouro e prata com sabor de quero mais  

Hélio Zechini ressalta que toda equipe da Bom Brasileiro trabalhou com muita empolgação e comprometimento na criação das receitas e sua execução durante o festival.  Para construir a receita vencedora da categoria quitandas, buscou a adequação ao tema Caminho Novo: Memórias, inspirando-se nos arquivos da própria padaria. Lá encontrou o Pão de Minas, que tinha tudo a ver com o tema por ser feito com ingredientes muito utilizados nos tempos dos tropeiros e ser uma das primeiras criações da marca. A receita original foi adaptada aos novos paladares e ganhou uma casca mais grossa, que, segundo Hélio, tem sido a preferência do público. E assim surgiu o campeão da categoria Quitandas 2022: o Cascudinho Tropeiro - com mandioca, bacon, cebola, queijo minas padrão e uma massa que é fermentada naturalmente por 20 horas.

O empresário confessa que ficou enaltecido e surpreso com a segunda colocação na categoria sobremesas/confeitaria. "Concorremos com sobremesas impressionantes. Quando analisamos os outros concorrentes da categoria, percebemos que havia coisas muito bonitas e a gente entrou com um quitute que, se você colocar lado a lado com os outros, não tem aquele 'sex appeal' todo... Já marcamos uma reunião com a equipe da confeitaria para celebrar porque estamos muito felizes! Teve até choro no off", comenta Helio,fazendo sempre questão de elogiar o trabalho da equipe.

 "Receber três premiações  dá um gás, dá uma força...Hoje eu já me peguei passando pela sala e olhando para os troféus e passa um filme. A gente fica até emocionado porque é tão difícil, a gente empreende com tanto amor... Você ver o reconhecimento materializado é muito bacana, revigora as forças", comemora.

Hélio elogia o trabalho da Abrasel, através de sua presidente Francele Galil, principalmente durante a pandemia. "A gente já tinha escutado no trabalho da Abrasel, mas não conhecia muito. No meio da pandemia eu fiquei encantado com o tanto que a Abrasel lutou pelos bares e restaurantes. Por isso decidi me tornar um associado", elogia.